Modulo de Licitacoes

4 de fevereiro de 2014


Lei 12.741

24 de maio de 2013

A lei 12.741 nasceu de uma iniciativa da FACESP (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo) juntamente com 104 entidades de grande representatividade nacional, objetivando tornar transparente o valor pago em impostos pelo consumidor em operações comerciais, o valor deve ser calculado por item utilizando valores aproximados disponibilizados por entidades reconhecidas de apuração de dados econômicos, com isso se espera uma maior conscientização dos consumidos quanto ao valor pago em impostos.

O valor dos impostos pagos pode ser calculado utilizando valores aproximados, levantados por instituição reconhecida, esse percentual deve ser aplicado ao total da transação, retornando então um valor aproximado do valor pago em impostos para o item comercializado.

O valor pode se demonstrado por item ou por total de itens, no caso da nota fiscal eletrônica,  deve ser informado por item e também no fechamento da nota fiscal eletrônica, devendo também ser impresso nas informações complementares enquanto o layout do DANFE ainda não possuir campo específico para a impressão desses valores.  Para o cupom fiscal não existe um campo específico e não seria possível criá-lo já que isso resultaria na alteração do software interno dos equipamentos fiscais, tornando impraticável essa atualização, portanto, deve-se utilizar o rodapé do cupom para demonstrar o valor total calculado.

No SAS, estamos implementando um modulo no qual o cliente pode baixar uma tabela com os valores dos impostos, que  são calculados a partir do NCM dos produtos, por isso é de suma importância que o NCM dos produtos no cadastro esteja correto. Até o dia primeiro de junho vamos liberar uma versão com as alterações decorrentes desta lei.

Quem vai instalar minha impressora fiscal?

24 de abril de 2013

Em Mossoró há uma empresa de revenda de impressoras fiscais, que se recusa a instalar a impressora nas dependências do cliente. Tivemos essa infeliz constatação depois que um cliente nosso comprou uma impressora da marca Bematech, e o técnico da revenda se recusou a instalar, alegando que não faria isso porque o programa instalado no cliente não pertencia à empresa onde o técnico trabalhava. Acreditamos que a tática “terrorista” tem por objetivo induzir a venda “casada”.

Essa atitude é ilegal, irresponsável, e demonstra a total falta de profissionalismo de uma empresa que se diz representante de uma marca. No fim das contas, o cliente é que sai prejudicado, pois toda a responsabilidade da instalação é transferida para ele.

A revenda DEVE instalar a impressora fiscal no computador do cliente, assim como DEVE demonstrar que a impressora está funcionando perfeitamente, tirando Leitura X, realizando vendas, verificando se as finalizadoras estão corretas, e tudo o que for preciso para garantir que o cliente possa continuar trabalhando.

Sugerimos aos clientes que antes de comprar qualquer impressora fiscal em qualquer lugar, faça a pergunta básica “voces instalam?”.

Falem conosco, peçam nossa opinião a respeito da confiabilidade da revenda, e da própria impressora fiscal, pois algumas marcas são infinitamente melhores que outras, e com certeza, nem todas as revendas estão realmente comprometidas com os clientes.

MUDANÇA DO AMBIENTE AUTORIZADOR DA NF-E

18 de abril de 2013

Empresas do RN emissoras de NF-e devem ajustar seu aplicativo para o novo ambiente autorizador SVRS no dia 06 de maio de 2013
Para tanto, devem providenciar a alteração no software emissor mudando o ambiente autorizador da SVAN para a SVRS.

A mudança limita-se a troca do endereço eletrônico dos serviços (WebServices) da NF-e, apontando-os para o ambiente SVRS. Atenção: A atualização deverá ser implantada pela empresa para funcionar a partir do dia 06 de maio de 2013. Após está data, o ambiente autorizador NF-e do SVAN será desativado para os contribuintes do RN.

Mais Informações:Clique Aqui

Obrigatoriedade do PAF-ECF, Fim do Pedido/OS e Início do DAV!

25 de abril de 2012


SE VOCÊ NÃO ESTÁ OBRIGADO A UTILIZAR IMPRESSORA FISCAL, DESCONSIDERAR ESTE POST.

A Lemarq Software vem por meio desse comunicado informar a seus clientes que a partir dos meses de JUNHO ou JULHO, a opção do sistema de emissão do Pedido/OS bem como todas (ou quase todas) as suas funcionalidade serão desativadas.

O motivo?
A partir do dia 01/07/2012 todas as empresas que utilizarem ECFs (impressoras fiscais) no estado do RIO GRANDE DO NORTE estarão obrigadas ao PAF-ECF.

O que seria o PAF-ECF?
O PAF-ECF signifca: Programa Aplicativo Fiscal – Emissor de Cupom Fiscal.
O PAF nada mais é do que uma regulamentação e padronização FISCAL de várias rotinas dos sistemas que emitem Cupom Fiscal. TODO E QUALQUER sistema que emite Cupom Fiscal está sujeito a se adaptar ao PAF, a empresa que está obrigada a utilização de ECF e que não tenha um sistema PAF-ECF ficará impossibilitada de emitir cupom até que seu sistema esteja regularizado.

O PAF terá três modalidades:
1- Auto-serviço: onde o cliente escolhe os produtos na loja e vai direto ao caixa, exemplo: Supermercado.

2- DAV: onde o cliente escolhe os produtos na loja, o vendedor realiza a venda no sistema e OCORRE A IMPRESSÃO de um documento NÃO FISCAL contendo um número sequêncial de identificação, a descrição dos itens, quantidade, valor, etc, e esse documento será importado para o PDV/PAF-ECF para gerar o cupom. O DAV será utilizado para pedidos, orçamentos e ordem de serviços.

3- Pré-venda: quase em sua totalidade igual ao DAV. Com a diferença de que não é impresso documento, o vendedor ANOTA/ESCREVE em um papel o número da Pré-venda e o cliente entrega esse número ao caixa para o cupom fiscal ser emitido e a outra diferença é que PARA TODA PRÉ-VENDA EMITIDA/CRIADA DEVERÁ SER GERADO UM CUPOM FISCAL, MESMO O CLIENTE DESISTINDO DA COMPRA!

OBS: A Lemarq irá se enquadrar no modelo 1 (Auto-serviço), e modelo 2 (DAV).

Por que o PAF-ECF agora é obrigatório?
Antigamente, cada estado da federação possuía suas regras para os sistemas que emitissem cupons ficais e isso estava causando muitos problemas para as desenvolvedoras visto que toda vez que a mesma fechasse contrato com um cliente de um outro estado, o sistema teria que se adaptar a todas obrigações dele podendo ocorrer/criar conflitos com obrigações fiscais de outros estados.

Então o PAF-ECF veio para padronizar várias rotinas dos sistemas de emissão de cupom fiscal.

E o que o PEDIDO/OS tem haver com isso tudo?
O PEDIDO/OS TEM TUDO HAVER COM ISSO! O PDV possui a funcionalidade de importação de Pedido para o mesmo, acelarando assim as vendas, visto que o caixa não irá digitar/pesquisar produto por produto e apenas lançar o número do Pedido e o PDV irá se encarregar de vender os produtos do Pedido importado. E o PAF-ECF regulamenta essa ação!

O PAF tem toda uma regra para os sistemas que utilizam importação do pedido, ele diz como o sistema deve funcionar, o que fazer quando o usuário cancelar um item, NÃO DEVE EXISTIR BAIXA DE ESTOQUE NO PEDIDO/DAV/PRÉ-VENDA, até mesmo a FORMA DE IMPRESSÃO DO PEDIDO tem que está nos padrões da lei, dentre outras coisas. Ou seja, muitas funcionalidades do Pedido/OS irão acabar bem como todas formas de impressão de Pedido também, agora o sistema terá apenas uma forma de impressão e será aquela prevista na lei e no PAF-ECF.

Diante disso, o Pedido/OS será desativado e uma nova opção (DAV), será ativada.

Eu não poderei mais fazer os Pedidos/OS?
Sim, não será mais possível realizar pedidos, mas é bom destacar que, não será mais possível fazer e IMPRIMIR na maneira que é feita hoje mas CONSULTA e IMPRESSÃO dos RELATÓRIOS referentes a Pedido irão continuar no sistema.

Algumas informações a respeito do DAV:
1- Não realizará baixa de Estoque;
2- Deverá ser impresso em formato A5(210mm x 148mm). Em um modelo padrão determinado por lei;
3- Não pode ser autenticado ou excluído;
4- Um DAV só terá duas situações, Impresso ou Não;
5- O DAV só poderá ser impresso uma vez;
6- Um cupom fiscal só poderá ter UM DAV;
7- Um DAV que já gerou cupom fiscal não poderá gerar um novo cupom;
8- Ao cancelar um produto no DAV, em sua impressão deverá ser mostrado a expressão de CANCELADO no item em questão;
9- O produto cancelado deverá ser cancelado também no cupom fiscal;
10- Todo DAV deverá conter em seu cabeçalho “NÃO É DOCUMENTO FISCAL – NÃO É VÁLIDO COMO RECIBO DE GARANTIA DE MERCADORIA – NÃO COMPROVA PAGAMENTO” e em seu rodapé “É VEDADA A AUTENTICAÇÃO DESTE DOCUMENTO”;

A seguir segue exemplos de DAVs (clique na imagem para aumentar o tamanho)

Exemplo de DAV comum (Pedido):








Exemplo de DAV com item cancelado:








Exemplo de DAV-OS (Oficina de Conserto)

Quando a impressora não funciona

11 de abril de 2012

Às vezes, por algum motivo, a impressora fiscal que estava funcionando, deixa de funcionar, e alguns usuários pensam que é problema no PDV.

Por experiência própria, todas as vezes que um usuário relatou supostos problemas com o PDV, descobrimos que na verdade se tratava de defeitos nos equipamentos do usuário : impressora, computador, instalações elétricas, etc.

O PDV é um software, e software não envelhece, nem enferruja. Se o software conseguiu se comunicar com a impressora pelo menos uma vez na vida, então ele continuará fazendo isso eternamente. A única possibilidade de um software apresentar problemas, é quando alguém mexeu no código fonte do software, e somente o programador do PDV consegue fazer isso.

Impressoras e computadores, por outro lado, envelhecem e enferrujam. São equipamentos elétricos/mecânicos que podem deixar de funcionar de uma hora para outra.

Quando o PDV deixa de se comunicar com uma impressora, provavelmente o problema será na impressora, no cabo, na placa, em qualquer outra coisa, menos no PDV. Substitua cabos, placas, computadores, coloque a impressora noutro micro, ou até mesmo troque por uma impressora de melhor qualidade. Evite mandar a impressora até nossas instalações, pois só vamos constatar o que já sabemos que vai acontecer.

Qual a melhor marca de impressora fiscal?

Atualmente, a melhor marca que conhecemos é a DARUMA. É a que apresenta menos problemas, e que tem a melhor assistência técnica. É muito robusta, super resistente. Além disso, a DARUMA está sempre a frente de novas tecnologias, e se pudéssemos, nosso software trabalharia apenas com ela. Na hora da compra, é melhor não ser pão duro, pois aquela impressora de marca mais barata, vai se transformar numa grande dor de cabeça. Se voce usa outra marca, principalmente aquelas que mais parecem um “sapo horrivel”, provavelmente voce está com um grande abacaxi nas mãos.

Atualização de Versão

4 de abril de 2012

Recomendamos aos usuários de nossos sistemas, que sempre mantenham a versão mais atualizada de nossos sistemas, atualizando pelo menos uma vez por mês. A atualização é um processo simples e rápido, e sempre traz correções de erros, e implementação de melhorias.

Infelizmente não temos condições de visitar todos os usuários e realizar as atualizações, até porque as mudanças de versão acontecem quase todos os dias. Nesse caso, cada usuário deve fazer sua parte, acessando nosso site e baixando a versão mais atualizada do sistema que está utilizando.

Em alguns casos, após a atualização da versão, será necessário atualizar as estruturas, o que também é muito simples, e existe uma opção no sistema pra fazer isso. Se sua empresa possuir vários computadores, a atualização de estruturas só precisa ser feita em apenas um deles. Nas demais máquinas, basta atualizar a versão.

Limitando as solicitações

23 de março de 2012

Programador

É sempre bom lembrar aos nossos usuários e colaboradores que qualquer alteração em nosso software deve obedecer um critério importantíssimo : A alteração deve beneficiar a TODOS, e mesmo assim, deve respeitar um cronograma de prioridades, jamais se interpondo na frente dos demais.

Algumas exceçoes ocorrem quando algum erro é encontrado no sistema, ou quando ocorre exigência fiscal. Nesses casos, a prioridade de atendimento é máxima.

Fora isso, qualquer alteração solicitada será cuidadosamente analisada, e poderá ser rejeitada pela equipe, simplesmente porque não atende aos interesses dos demais usuários. Se for aprovada, será colocada dentro de um cronograma, que poderá sofrer atrasos em virtude de outras demandas emergenciais.

Às vezes o que serve para um usuário não serve para outro, e por isso, procuramos atender a todos da melhor maneira possivel, mas sempre deixando claro que não podemos concentrar nossos esforços para atender a demanda de apenas um único indivíduo.

A titulo de exemplo, exportar dados para o Excel, Access, Word, ou seja lá o que for, simplesmente porque o usuário tem alguma necessidade particular que só serve aos interesses dele, não será possível, a menos que o usuário esteja disposto a contratar um programador ou uma equipe para trabalhar exclusivamente para ele. Nesse caso, ele deverá arcar com todos os custos e encargos do desenvolvimento, o que é extremamente caro.

Contamos com a compreensão de todos.

SEFAZ FORA DO AR?

21 de março de 2012

Desde o início da manhã de hoje (21-03-2012), vários clientes estão nos ligando perguntando se a SEFAZ está fora do ar, tudo indica que sim, já que o problema de transmissão de NFe não é apenas com uma empresa em especial.

Informamos que a Lemarq Software não tem como saber se o servidor da SEFAZ se encontra em funcionamento ou não, para isso pedimos que liguem para o telefone: (84) 3232-2165 (SEFAZ) e que peçam para falar com o setor de NFe.

Problema ao Recuperar XML

14 de março de 2012

Desde o início da semana vários clientes estão notificando que ao utilizar a opção do sistema Recupera XML, o arquivo gerado está com dados incompletos, chave eletrônica incorreta, códigos de ítem inexistentes, dentre outros problemas que impossibilita o usuário a dar entrada de mercadorias através desse xml.

O que está acontecendo? Por que essa opção do sistema funcionava e hoje não funciona mais?

Para responder a essas perguntas, antes de mais nada vocês devem saber como o Recupera XML funciona.

A SEFAZ mantém uma opção de consultar as NFes emitidas através de sua chave. Por meio dessa possibilidade o SAS (através do Recupera XML), consultava a NFe na SEFAZ, “lia” as informações retornadas por ela, criava um arquivo xml SEM VALOR FISCAL e partir daí o usuário poderia dar entrada nas mercadorias.

O problema:
Essa ação só era possível pois o retorno da consulta era em forma de texto, a partir do dia 07 de Março de 2012 a SEFAZ começou a retornar essa consulta em forma de imagem e impossibilitou várias informações de serem recuperadas.

O que devo fazer? Como darei entrada nas mercadorias com o xml?
Vale lembrar que por LEI todo arquivo XML referente a NFe deve ser enviado ao destinatório, como diz o Ajuste SINIEF 07/2005, cláusula 7ª, § 7º, conforme alterado pelo Ajuste SINIEF 08/2010)

§ 7º Deverá, obrigatoriamente, ser encaminhado ou disponibilizado download do arquivo da NF-e e seu respectivo Protocolo de Autorização de Uso:
I – ao destinatário da mercadoria, pelo emitente da NF-e imediatamente após o recebimento da autorização de uso da NF-e;

Clique aqui para ver o Ajuste SINIEF completo

Ou seja, é DEVER DO FORNECEDOR enviar o XML para seus clientes/destinários. Vale lembrar também que para o fisco, o documento real é o XML e não o DANFE impresso como muitas pessoas pensam.

É com pesar que a Lemarq Software informa que a função Recupera XML será desativada do sistema mediante a impossibilidade de recuperar informações de forma correta em função da modificação feita pela SEFAZ em seu sistema.

Lembramos também que a função de entrada de mercadorias através do XML continuará funcionando para quem possuir os XML enviados por seus fornecedores.